Lusotopia

Memórias da cidade: Varinas de Lisboa

Postado em

varinasLisboaCom o titulo Varinas de Lisboa: memória da cidade, o Museu da Cidade, agora rebatizado como Espaço Galveias, no Palácio homónimo ao Campo Grande apresenta, em exposição temporária, entre janeiro e maio deste ano uma das figuras tipo da cidade portuária e do bairro da Madragoa.

Justifica a exposição com a procura de relevar a presença na cidade. Diz “Das comunidades regionais que na capital assentaram nenhuma foi tão marcante como a varina. Proveniente do litoral do distrito de Aveiro, de Ovar lhe advém o nome. Em Lisboa, ao longo do século XIX, a comunidade instala-se sobretudo na Madragoa, marcando indelevelmente a memória coletiva, vindo a confundir-se rapidamente, graças sobretudo às mulheres, com a própria urbe.
Na exposição procura-se, sobretudo, entender a evolução de uma figura popular que, de mulher trabalhadora, mãe de família e de parcos recursos económicos, cuja liberdade na linguagem, costumes e atitudes na rua cedo captaram as atenções de nacionais e estrangeiros, se converte, por mérito próprio, em símbolo da cidade de Lisboa, e, como depois o Estado Novo se apropria da sua presença por força da propaganda oficial assumindo, assim, um papel icónico no imaginário local e internacional.
Ao cruzar as várias referências e interpretações do tema, dá-se a conhecer o lado vivencial, quase indomável e de resistência, desta comunidade dominada pelo elemento feminino, a quem a presente exposição presta a homenagem.”

É curiosa a questão da procura do fenotipo que acentua a imagem da “mulher /mãe/ pobre”  notando os costumes brejeiros (na liberdade da linguagem) e do olhar do outro. É certo que procuraram algumas das memórias vivas através das mulheres do bairro, sobretudo procurando recolher entrevistas e fazer-lhes uma “homenagem

Há nesta abordagem um certo paternalismo. No folheto de apresentação, por exemplo, diz-se “Em Lisboa ao longo dos séculos sempre se cruzaram a fixaram as mais desvairadas gentes. Vinham de outras partes da Europa, de outros continentes e outras regiões de Portugal. Um fluir de raças, credos, condições, profissões, modos de estar e de trajar”. Sublinhado nosso que mostra a confusão que estas questões mostram.

 IMG_0840IMG_0852 IMG_0853 IMG_0855 IMG_0856 IMG_0857 IMG_0858 IMG_0859IMG_0848

Anúncios

Que nova narrativa para a Europa ? XIII

Postado em

O futuro da Europa ?

  • Quais os seus valores ?
  • Quais as suas Instituições?
  • Qual o lugar da cultura cosmopolitas no seio das nações?

potencias emergentes

Reeinventar a europa: Uma nova narrativa para a Europa XII

Postado em

No presente urge reinventar a Europa

  • Uma Europa do atlântico aos Urais, ou uma Europa em oposição à Rússia ?

europaatlaticourais

 

Jean Monet (1888-1976) um dos inspiradores da Integração Europeia, onde inspira o Plano Schuman (Robert Schuman – 1863- 1963), nome do ministro Francês que em 1950 inspira a Declalração da constituição da Comunidade do Carvão e do Aço.

General De Gaulle (1890-1970). Presidente Francês pretendia uma Europa do atlântico aos Urais, incluindo a parte europeia da Russia.

A Guerra Fria- (1945-1989) é o período  da História Europeia  entre o final a segunda guerra mundial e o colapso do Império soviético, que dividiu a europa em dois Blocos politica e economicamente antagónicos. A Europa Ocidental, democrática, com uma economia de mercado, que desenvolve uma progressiva integração no âmbito da Comunidade Económica Europeia, primeiro, União Europeia depois. A Europa de leste, de economia centralizada e planificada, sobre o predomínio do partido único.

MAPA GUERRA FRIA

Em 1989 da-se a reunificação da Alemanha, e o fim da cortina de ferro que dividia a Europa. Progressivamente, aproveitando o colapso do Império Soviético, a Europa foi progressivamente integrando os países do leste europeu.

A Europa na globalização integra hoje um  mundo multipolar e tem vários desafios como por exemplo a emergência do Pacífico como centralidade, a fronteira a Sul e a desafio a Leste.

nova-divisao-mundial

 

As Invenções da Europa : Uma nova Narrativa para a Europa XI

Postado em

Foi na Europa que se registaram as moderna invenções que marcam a vida moderna:

o mercado

mercador de venezao_capitalWealth_of_Nations_title

a máquina,

maquinaria

 

o amor,

oamoreoocidente

a democracia

democracia1

a cultura

literatura, musica, dança, teatro, pintura, escultura, fotografia, cinema

A Europa das Nações e a Invenção da Democracia: Uma nova narrativa X

Postado em

A europa inventa também a moderna democracia. Um sistema de regulação do poder político na sociedades, periodicamente renovado, através de representantes. Um poder que se auto limita funcionalmente entre a elaboração das leis, a administração da sua aplicação e o juízo sobre a forma da sua aplicação.

VoltaireCandidFrontis+Chap01-1762 hume

Um processo que parte da naturalização do ser humano, na ruptura com a cosmovisão da organização do mundo e alicerçado nos princípios da igualdade da liberdade e da fraternidade.

A visão democrática da europa, não foi todavia fácil. Muitas foram as batalhas e conflitos que entre os seus povos e dirigentes  se deram. Visões imperiais e autoritárias que aqui e ali foram surgindo, muitas vezes contidas

 

 

 

 

 

 

O apolíneo dionisíaco de Frederic Nitzsche caracteriza a Europa como uma oposição entre razão (a europa do norte) e a emoção (a europa do sul)

200px-Phänomenologie_des_Geistes

O Renascimento e a Ciência na Europa: Uma nova narrativa IX

Postado em

O Renascimento marca o período de redescobrimento da antiguidade clássica, dos livros da filosofia, da ciência e da história da herança clássica europeia. Ela baliza o surgimento da moderna ciência europeia, um dos seus instrumentos de domínio do mundo.

tratado-da-esfera-07 averrois 220px-Gois_Urbis_Olisiponis

 

 

 

 

Iniciando-se na Cartografia e na ciência náutica, no desenvolvimento da construção naval, das armas de pólvora seca, a par com o domínio da botânica e da física, os europeus constroem um mundo novo. O ocidente torna-se numa alternativa do oriente.

maquinaavapor

Como corolário dos seus avanços científicos, as aplicações da ciência são aplicadas com enorme sucesso nos processos de transformação da natureza, primeiro, criando uma revolução agrícola, à qual se sucede o desenvolvimento da mecanização e a industrialização.albertsilbertII

 

 

As divisões da Europa: uma nova narrativa para a Europa VIII

Postado em

Para além da procura da unidade, a Europa conheceu profundas divisões no seu seio. Guerras tremendas assolaram-na no passado, deixado atrás de si um rasto de carnificinas, destruições e horrores. A partir de cado um desse momentos a europa renasce transfigurando-se .

gurra e paz joanadarc Romeu e Juieta -capa01

 

 

 

 

As diversas guerras forma tema de inspiração para muitos autores. Entre os episódios sobre os horrores narrados relatam-se personagens e conflitos universais.A guerra dos 100 anos legou-se Joana d’ Arc, a guerra das Rosas, foi tema do Romeu e Julieta de Wiliam Shakespeare, A Guerra e Paz de Leon Tolstoi, relata a história de 100 anos numa família na Rússia.