Freud e o Inconsciente coletivo

Postado em

Freud publica em 1915 o artigo “o inconsciente”, onde retoma uma problemática tratada quinze anos anos, antes, na sua obra “A interpretação dos sonhos”. Neste artigo, que constitui ainda hoje um textos base para analisar a relação entre a Psicanálise e Linguagem,  Freud faz a distinção entre inconsciente descritivo e inconsciente sistemático.

É interessante desta distinção para compreender esta conceito de inconsciente na proposta de psicanálise de Freud. Para Freud Inconsciente descritivo, constitui-se como o conjunto de representações psíquicas latentes na mente. São ideias, emoções, formas simbólicas que podem tornar-se conscientes em qualquer momento, em qualquer contexto, motivados por estados ou experiências pessoais,  Este  consciente descritivo, latente nos indivíduo, capaz de a qualquer momento emergir como consciente é um estado de pré-consciência.

Já no que se refere ao inconsciente sistemático, considera que se tratam de um sistema de representações psíquicas, que se encontram reprimidas no indivíduo. A mente, pelo sistema de interditos, impede essas representações de acederem à consciência. São representações recalcadas.

Verifica-se portanto, que para Freud há dois processos. Um processo em que há representações latentes, que podem emergir como consciência, e há um processo de representações inconscientes, reprimidas, que não emergem como consciência, embora possam manifestar-se por formas recalcadas. A linguagem é uma forma de entender o recalcamento. A consciência para Freud, na sua forma de aparelho psíquico, que inclui as ideias e as percepções, constitui-se pela manifestação destas representações, acessíveis pela linguagem.

Para o trabalho sobre o inconsciente, os objetos recalcados constituem-se como o material de trabalho. Os objetos recalcados são coisas, que se manifestam através da associação de elementos acústicos, táteis, visuais, ou movimentos corporais. A linguagem, a palavra que nomeia é inscrita no psíquico como um complexo de elementos de associação composto por imagens acústicas (sons), imagens visuais (movimento da boca e gestos ou expressões, Os objetos recalcados resultam desta ligação entre os elementos observáveis na linguagem e nas imagens simbólicas. A conformidade entre as representações expressa as forma de adequação ao papel, a consciência do papel e a coação para a representação do papel.

Portanto as associações da coisa, em si, são elementos dissociados que se tornam compreensíveis através das palavras. Quando , os elementos visuais se ligam à imagem acústica (ao som) da palavra. No recalque, nega-se a representação ou a sua  a tradução em palavras. O silencio e o esquecimento são imagens duma representação representação-coisa. Quando a representação-coisa se liga à representação-palavra, tem-se a representação-objeto, capaz de se tornar consciente.

Trabalhar sobre o inconsciente coletivo, é trabalhar sobre os processos de conscientização dos mitos da comunidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s